Gestão escolar e o método científico

Sabem qual é o tipo de pessoa que mais encontramos nas escolas? O mesmo tipo que nos deparamos na maioria dos lugares: pessoas que gostam de dar opinião. É impressionante como nós temos a necessidade de dar opinião sobre tudo. E isso é algo positivo? Na maioria dos casos não.

Se você gerencia uma escola ou parte dela deve estar rodeado de indivíduos que sabem resolver os seus problemas. Profissionais da educação, pais e até mesmo alunos que têm a certeza que conseguem fazer um trabalho melhor do que você. É óbvio que uma visão sob outro ângulo, muitas vezes, nos ajuda a quebrar paradigmas, resolver contratempos e “empurrar” a instituição ladeira acima. Entretanto, isso ocorre quando o influenciador tem argumentos e não opiniões. A diferença é grande. Como distinguir?

Opinião qualquer pessoa pode ter. Ela pode conhecer nada sobre o tema, mesmo assim terá uma opinião. Ela pode ter “encontrado” um evento mesmo que aleatório ou não recorrente, já é suficiente para gerar a opinião. Alguém “bem intencionado” pode não ter gasto um minuto em uma análise e criar um juízo, porque basta ter uma situação e um ser humano que a opinião já brota. Argumento não, depende de mais tijolos e argamassa.

Para construir um argumento são necessários alguns elementos. A base dessa construção é o conhecimento teórico. Como argumentar sobre algo somente observado, sem nenhuma base conceitual? Será uma construção sem fundamento, que pode até crescer, mas com boa chance de desmoronar no primeiro vento de contestação. A estrutura principal, tijolos e pilares, são observação e análise. Já encontrou alguém com opinião sobre algo que sequer observou? Ou observou e não analisou? Pois é… encontramos muitas “formações” de opinião com esse tipo de erro fundamental. Para construir bons argumentos, além do conhecimento teórico, é preciso observar a prática, de forma recorrente, e analisá-la. Nossa construção também precisa de janelas, que seriam as aberturas para novas ideias e observações. A realidade escolar é dinâmica, está sempre em mutação, e mesmo construções sólidas carecem de aberturas permanentes para mudança de rumo. E, para fechar, precisamos de um bom telhado, que vai assegurar a proteção da nossa construção. O telhado consolidador é o reencontro com os fundamentos, é a busca da coerência entre o conhecimento teórico e as observações práticas analisadas. Este alinhamento dará harmonia e equilíbrio para toda construção, somente depois desse processo é que teremos bons argumentos.

Será que preciso dizer o que fazer com essa linda casa? Bons argumentos são a pedra fundamental da tomada de decisão. Encontramos diversas instituições escolares em dificuldade. Os motivos são muitos, mas a vida é feita de escolhas, tomamos decisões todos os dias que promovem sucesso ou fracasso para pessoas e empresas. Por observar e analisar muitas escolas, ao longo da minha vida profissional, sinto-me confortável em afirmar que o fracasso de muitas instituições está relacionado às decisões erradas e essas decisões atreladas às opiniões e não argumentos.

O ERP da Tullli Educação nasceu para agrupar e gerar informações úteis para a tomada de decisão pautada em argumentos e não em opiniões. Conheça nossos fundamentos e práticas, será transformador para a sua instituição.

 

Fabio Benites

Diretor Pedagógico por mais de 20 anos,

Sócio-fundador do Colégio e Curso Intellectus,

da Irium Educação e da Tullli Inteligência Educacional.