A nova BNCC e a gestão escolar

A lei que rege a educação nacional é a Lei de diretrizes e bases da Educação Nacional, chancelada em 1996 (LDB 9394/96). Já faz mais de vinte anos e de lá para cá tivemos dois grandes destaques no cenário educacional brasileiro. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) como proposta de parametrizar e criar pilares para a educação nacional e o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) que ganhou corpo como grande vestibular nacional, no último governo, depois de várias negociações com as universidades públicas. Poucas novidades para uma comunidade que está entre os piores resultados educacionais do mundo, segundo conceitos internacionais reconhecidos, como o Pisa (Programme for International Student Assessment).

Um dos grandes questionamentos sempre foi a falta de padrões nacionais, especialmente em relação ao que se ensina. Depois de muito tempo, aparentemente, o governo federal caminhou para responder a essa questão e com mais acertos do que erros. O Ministério da Educação (MEC) chancelou parte em Dezembro de 2017 e finalizará a deliberação em no final de 2018, da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Esse documento determina bases educacionais e conteúdos a serem explorados por instituições de ensino e educadores do Ensino Básico. Nunca houve tal lista de habilidades e conteúdos e os educadores sempre gozaram de liberdade sobre o que ensinar, sendo orientados somente pelos livros didáticos e concursos de fim de segmento, como os diversos vestibulares. Esse excesso de liberdade acabou com a BNCC, que estabelece um currículo claro a ser seguido, segmento por segmento, ou até mesmo série por série. E como isso impacta a gestão escolar?

O gestor ou qualquer nível de liderança dentro de uma instituição de ensino é responsável pela visão e por colocar todos para remarem em sua direção. Isso não é delegável e talvez seja o processo mais importante da liderança. E nesse momento temos um agente externo, o governo, influenciando mudanças em todo o mercado. Portanto, é um momento de ação e não espera.

Todas as mudanças são dolorosas. Nós tendemos a buscar nossa zona de conforto. Fazer coisas que sabemos e somos bons. Isso faz com que não tenhamos conflitos. Quando ocorre uma mudança tão forte como essa, afinal mexe com os conteúdos de toda escola, é preciso atenção para a reação dos diversos atores. Pais e alunos tendem a querer o cumprimento dos novos parâmetros. Porém, os profissionais tendem a manter suas práticas e resistir as mudanças. Esse embate deixa claro o papel da liderança. Atuar nos resistentes para entregar para os clientes o que há de mais novo, melhor e legal.

Tudo começa com um sonho. E o primeiro passo na direção de concretizá-lo é uma escolha. Nesse momento tão decisivo poderemos perceber as escolas que farão as escolhas certas, pelas atualizações e mudanças, e outras que por insegurança ou falta de capacidade de execução irão ficar esperando algo acontecer. Espero que você esteja no primeiro grupo de escolas.

Hoje falamos sobre conteúdos programáticos e gestão. A Tullli possui várias soluções eficientes de lidar com conteúdos e avaliações, dando acesso aos professores às informações que precisam para uma excelente aula e também lançarem os resultados das provas e testes diretamente no sistema. Conheça nosso sistema. Ele é o que você precisa.

 

 

Fabio Benites

Diretor Pedagógico por mais de 20 anos,

sócio-fundandor do Colégio e Curso Intellectus,

da Irium Educação e da Tullli Inteligência Educacional.